Distribuidor de Equipamentos Estéticos

Distribuidor de Equipamentos Estéticos Eletroestimulador corporal Ultracavitação Radiofrequência Jato de Plasma



Distribuidor de Equipamentos Dermatofuncional Corrente Russa Lipocavitação Criofrequencia



Distribuidor de Equipamentos Estéticos Eletroestimulador corporal Ultracavitação Radiofrequência Jato de Plasma



Distribuidor de Equipamentos Dermatofuncional Corrente Russa Lipocavitação Criofrequencia



Você já ouviu o termo Glúten-free? Hoje iremos falar um pouco sobre essa substancia, e o que é ela exatamente. É uma proteína encontrada nos grãos de trigo, cevada e centeio, o glúten é o responsável por deixar nossas comidas favoritas irresistíveis: ele faz a massa da pizza ser macia, dá ao pão aquela textura esponjosa, e é usado para engrossar molhos e sopas.
Alimentação glúten-free, ou sem glúten, tem base científica. Que para pessoas com uma disfunção digestiva crônica também conhecida como, doença celíaca, o glúten é um mal real: pois o corpo de quem é acometido por essa doença, considera até uma migalha de pão como um invasor, ou corpo estranho, e cria uma resposta imune para “tratar” desse problema. Durante essa reação imune danifica o intestino delgado, ocasionando uma deficiência nutricional. Quando não tratada, pode levar ao câncer intestinal, assim como outras complicações.
Especialistas uma vez pensaram que a doença celíaca era um distúrbio raro, baseados no fato de que ela afetava apenas uma em cada 10 mil pessoas. Entretanto, com o aumento de testes e conhecimento, mais pessoas perceberam porque elas se sentiam mal após refeições com essa substancia, o que levou as companhias alimentícias á descobrirem um novo mercado. Conforme informa a Fenacelbra (Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil), aproximadamente 2 milhões de brasileiros têm a doença.
É necessário zerar o glúten?
Se você tem se encaixa nesse perfil ou tem sensibilidade ao glúten, a resposta é simples: Sim, você tem que parar. Ou se você apenas quer dar uma acelerada na dieta, saiba disso: É uma dieta muito chata. Desistir do glúten pode soar tão básico quanto cortar o pão ou comer menos macarrão, mas isso é apenas uma parte do problema. Pense nisso o glúten faz os alimentos mais saborosos e espessos, logo ele é adicionado em tudo, do molho de salada ao molho de soja. Ou seja, está na hora de começar a ler todos os rótulos de todos os produtos que você consome.
Cuidado ao erradicar o glúten, você pode terminar com sérias deficiências nutricionais. Estudos sugerem que aqueles que deixam o glúten de lado podem ter deficiência de importantes nutrientes como ferro, vitamina B e fibras, pois ao você retira o glúten que está inserido em outros alimentos e esses alimentos são fontes ricas de vitaminas e grãos, logo é preciso repensar em toda a dieta e não apenas descartar, seu corpo precisa desses micronutrientes. Pense bem na sua alimentação como um todo, frutas, vegetais, proteínas magras, laticínios não poderão faltar.
Seis sinais da sensibilidade ao glúten

Muitas pessoas não sabem, mais possuem essa condição de não poderem consumir glúten. Isso acontece porque o diagnóstico do problema é difícil e um agravante é a doença ser incomum e pode ser confundida com doenças do intestino ou relacionado à carência de nutrientes.
Portanto, fique atenta aos sinais mais comuns:
> Anemia;
> Cansaço e dor de cabeça;
> Perda de peso inexplicável;
> Diarreia crônica ou constipação;
> Excesso de gases e cólica abdominal;
> Alguns casos podem apresentar irregularidades menstruais.
 

Data: 10/08



Compartilhar: